Ruínas da Enfermaria Militar

A construção da Enfermaria Militar teve início no ano de 1880,  por ordem do Ministro de Guerra Visconde de Pelotas, e foi concluída em 1883. Está situada no ponto mais elevado da cidade, o Cerro da Pólvora. Possui características neoclássicas, destacando-se na paisagem por sua imponência.  Tinha como objetivo principal atender os oficiais do exercito da região da campanha.

A enfermaria militar possuía farmácias, salas de internação, sala de operações, salas de atendimento médico e local, cozinha e local para um guarda de serviço. Em 1915 houve uma ampliação, onde foi construído uma capela e um necrotério. O prédio tinha ainda um pátio interno, com amplas janelas.

No início da década de 70 o prédio por desativado e abandonado. Muitos relatam que teria funcionado ainda uma escola primária no local e que até mesmo foi utilizado para prisão política depois do golpe de 64.  Após seu abandono o prédio acabou sendo depredado. Na cidade muito se

 

fala que as pessoas iam até o local para retirar portas, janelas dentre outros materiais que poderiam ser aproveitados em suas residências. Ainda durante a década de 70, houve uma tentativa por parte do governo federal em vender o prédio, porém não houveram interessados.

A partir disso, começaram a ser utilizadas pela população jaguarense como local de lazer já que possui umas das vistas mais lindas da cidade, e também para visitação de turistas que procuravam conhecer mais sobre a história de nossa cidade.

As Ruínas servirão para implantação do Centro de Interpretação do Pampa, um complexo cultural que contará com museu, anfiteatro e auditório subterrâneo, além de um prédio de apoio para desenvolvimento de atividades de ensino, pesquisa e extensão. As obras de restauração já iniciaram.

Fonte: Iphae

Alexandre dos Santos Villas Bôas – A ENFERMARIA MILITAR DE JAGUARÃO: CONHECENDO SUA
HISTÓRIA