Pedro Demosthenes Rache

Foto: Pedro Demothenes Rache

Pedro Demosthenes Rache nasceu no dia 10 de julho de 1879 na cidade de Jaguarão. Filho de José Eugênio Rache e Dionísia Rache.

Estudou na Escola Brasileira de Porto Alegre e nas escolas de Minas e de Farmácia de Ouro Preto, em Minas Gerais, onde se formou em julho de 1901 em Engenharia Civil e Sanitarista.

Iniciou suas atividades profissionais de engenheiro civil em 1906, como auxiliar do serviço de abastecimento de água da cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Ainda nesse ano foi convidado pelo presidente Afonso Pena (1906-1909) para trabalhar no então território do Acre, porém recusou a indicação.

Em 1907, deixando o serviço de abastecimento de água, aceitou outra designação oficial, tornando-se inspetor de povoamento em Minas Gerais, onde se radicou. Deixou o cargo de inspetor de povoamento em 1919 e, no ano seguinte, fundou a firma Carneiro Resende e Cia., voltada para a prestação de serviços de engenharia, arquitetura e construções.

Em julho de 1933 elegeu-se deputado à Assembleia Nacional Constituinte na qualidade de representante dos empregadores da indústria. Empossado em novembro do mesmo ano, foi indicado líder da bancada de sua categoria.

Foi o primeiro Presidente do Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura (CONFEA) em 1934, sendo indicado por Getúlio Vargas a ocupar tal cargo. Nesse período existia apenas um decreto regulamentando as profissões e criando os Conselhos como subsídio para dar início ao Conselho Federal.

Com a promulgação da nova Carta (16/7/1934) e a eleição do presidente da República no dia seguinte, teve o mandato estendido até maio de 1935. Em 1934 foi novamente eleito deputado federal profissional ainda representando os empregadores na indústria, sendo empossado em maio do ano seguinte.

Diretor do Banco do Brasil a partir de 1940, passou a integrar em 1943 o conselho pleno do Conselho Técnico de Economia e Finanças. Permaneceu na diretoria do Banco do Brasil até 1949 e, no ano seguinte, deixou também o Conselho Técnico de Economia e Finanças.

Foi ainda professor na Escola de Engenharia de Belo Horizonte, professor-catedrático durante 20 anos na Universidade de Minas Gerais e jornalista em Minas e em seu estado natal, Rio Grande do Sul.

Faleceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 6 de novembro de 1959.

Publicou Lições de mecânica geral (3v., 1929), A relatividade (1932), Evolução econômica e financeira do Brasil (1935), Problema siderúrgico (1938), Asas do Brasil (1942), Método para determinação do preço do carvão (1943), O problema social econômico do Brasil (1946), Homens de Minas (1947) e Outros homens de Minas (1948).

Referências bibliográficas: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/pedro-demostenes-rache

http://www.confea.org.br/media/rache.pdf