Hermes Pintos Affonso

Foto: Dr. Hermes Pintos Affonso. – Fonte: Cadernos Jaguarenses vol. 3

Hermes Pintos Affonso nasceu em Jaguarão, no dia 30 de novembro de 1889. Foi um médico humanitário e abnegado, um político íntegro e honrado, sendo um dos grandes ícones da comunidade jaguarense.

Começou seus estudos com a professora Luiza Lendec, ingressando posteriormente no Ginásio Espírito Santo, administrado então pelos Padres Presmonstratenses.

Terminou o ginasial em 1909, e em 1910 foi morar em Porto Alegre onde cursava medicina. Como sua família não possuía muitos recursos financeiros, Hermes precisou desdobrar-se para manter-se em Porto Alegre, trabalhando como rádio-telegrafista.

Hermes formou-se em medicina em 1915, e no ano seguinte retornou a Jaguarão para iniciar sua carreira como médico. Jamais visou enriquecer através de sua profissão. Teve uma atuação marcante e destacada na Santa Casa de Jaguarão.

Hermes foi casado duas vezes, primeiro com Dona Alice Barbosa Bandeira, e posteriormente com Dona Luiza Cerqueira Mano.

Foi escolhido para ser o primeiro Secretário do Ginásio Joaquim Caetano da Silva, em 15 de março de 1921, no dia de sua fundação.

Em 1924 foi eleito para ocupar a presidência do Clube Harmonia Jaguarense.

Em 1928 é indicado para substituir o “mordomo” Adalberto de Azevedo e Souza no conselho administrativo da Associação Protetora dos Desvalidos (APD), cargo que reconduziu várias vezes.

Em 1929, recebeu um “Voto de Louvor”, lavrado em ata durante reunião da mesa diretora da Santa Casa de Caridade de Jaguarão, em reconhecimento aos relevantes serviços médicos prestados à entidade.

Paralelamente a sua vida como médico, Hermes teve destaque na carreira política, a qual iniciou em 1930, quando integrou o contingente do 3º Regimento de Cavalaria Divisionário, no Posto de Capitão-Médico, que compunham as forças revolucionárias sulistas que conduziram Getúlio Dornelles Vargas ao poder.

Após a vitória, voltou à Jaguarão, onde candidatou-se à prefeito pela “Frente Única Jaguarense”, que foi organizada e liderada pelo Dr. Euridio Artur Ferreira, concorrendo e vencendo, em novembro de 1935. Foi o 4º Prefeito Municipal. Após o início de sua gestão, realizou a inauguração do sistema de abastecimento e saneamento águas da cidade, que havia sido iniciado no governo de Satyro Alcides Marques. Exerceu o cargo até 1940, quando foi sucedido por Carlos Alberto Ribas.

Em 1º de abril de 1941 participou da criação do Rotary Club de Jaguarão. Em 1947, quando diretor técnico da Santa Casa, viabilizou a construção de um “Pavilhão de Isolamento”, que tinha como objetivo proporcionar um tratamento adequado aos tuberculosos.

No ano seguinte, foi o principal defensor de mudanças nos estatutos da Santa Casa de Caridade que possibilitaria, dentre outras coisas, trocar seu nome para “hospital”, já que achava que a palavra “caridade” soava como sinônimo de esmola, e com isso, poderia humilhar aqueles que necessitassem de atendimento médico.

Em 1959, candidata-se e elege-se Vice-Prefeito pela “Frente Democrática Jaguarense. No ano de 1963 foi eleito Vereador pelo mesmo partido, porém, por estar com problemas de saúde, afastou-se definitivamente da política, não exercendo o cargo.

Foi um dos idealizadores e fundadores do Centro de Tradições Gaúchas “Rincão da Fronteira”. Em 1962, foi agraciado com a Medalha de Pacificador. Durante as comemorações do centenário da vitória dos embates travados em 27 de janeiro, foi convidado a hastear pela primeira vez o recém criado pavilhão Municipal, em 27 de janeiro de 1963, sendo esta sua última aparição pública, já que seu estado de saúde havia se agravado.

Faleceu em 29 de julho de 1965 e foi sepultado no Cemitério das Irmandades, em Jaguarão.

Recebeu uma homenagem da Secretaria de Estadual de Educação, onde ganhou uma escola com seu nome.

 

Referências Bibliográficas: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão – Cadernos Jaguarenses. Volume: 3; Pág: 61 a 64. Autor: Vagner Pacheco dos Santos. (O livro Cadernos Jaguarenses Volume 3 pode ser adquirido no Instituto Histórico e Geográfico – R. Mal. Deodoro, 874 – Telefone: (53) 3261-9063)